Melancolia

Hoje a vejo assim, destelhada,
Por intrusos fantasmas, habitada;
Nem de longe lembra a morada
Daqueles idos tempos felizes.

Morreu até o velho cipreste,
Que ela pintou da janela oeste,
Sob os sussurros da brisa leste,
Numa explosão de matizes.

Depois que a vida foi embora,
Surrupiando os risos de outrora,
Já não fulgura qualquer aurora
Nas águas mortas do pântano.

O tom onipresente da podridão,
Aumenta o vazio no meu coração,
Restando apenas uma breve noção
Dos áureos tempos de encanto.

(De Nardélio F. Luz)

Poema constante na contracapa do livro A Clausura de Kematian e outros contos insólitos.

Para conhecer mais sobre o autor e sua obra, visite seu perfil no Facebook e também seu blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s