Sou cúmplice do que escrevo

Sou cúmplice do que escrevo.
Quem rabisca aqui, não sou eu.
É aquilo que tento esconder de mim….
A sílaba morta que engoli ha pouco,
No veneno do cale-se.
No cálice de gim.

A sutileza do psicopata,
perseguindo sua vítima
Estudando seus hábitos.
Sugando sua vida antes de furtá-la.
O que escrevo me mata a cada linha
Pega-me às goelas, enforca-me a garganta.
Lambe-me o pus.
Esconde o meu cadáver no quintal,
Prega uma cruz.
E espera o funeral.

(Anjos Urbanos)
@Direitos reservados

Fonte da imagem: página Anjos Urbanos

Clique aqui para ver mais obras de Anjos Urbanos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s